Como se tornar um projetista de instalações elétricas?

Carreira exige formação superior em engenharia elétrica ou curso técnico de 2º grau em eletrotécnica para instalações com demanda de energia de até 800 kVA

Publicado em: 21/06/2022

Texto: Eric Cozza

foto de um engenheiro, ao lado de uma engenheira, olhando para a tela de um computador exibinod projetos
Formação específica, interesse por normas técnicas, atualização profissional constante e apetite por inovação são requisitos centrais para os projetistas nessa área (Foto: Shutterstock)

Incêndios ou choques elétricos com graves consequências para os usuários. É isso que costumam causar instalações elétricas mal projetadas ou executadas de maneira inadequada, em desacordo com as normas técnicas vigentes.

Possuir tal consciência é o primeiro passo para um jovem estudante ou profissional interessado em ingressar na carreira de projetista de instalações elétricas. Trata-se de uma enorme responsabilidade do ponto de vista técnico.

“Em alguns casos, a instalação dá sinais de degradação, que está operando em sacrifício”, afirma o engenheiro eletricista, professor e diretor da Barreto Engenharia, Paulo Barreto. “Em outros, infelizmente, isso não acontece e as consequências podem ser muito graves”, completa.

FORMAÇÃO ACADÊMICA E ATUAÇÃO PROFISSIONAL

Há alguns processos judiciais que pleiteiam a atuação de engenheiros civis e arquitetos na área, mas os profissionais habilitados para exercer a função, sem qualquer hipótese de contestação, são os engenheiros eletricistas e os técnicos de 2º grau em eletrotécnica para instalações com demanda de energia de até 800 kVA.

A formação inicial, entretanto, não garante que o jovem profissional esteja preparado, ao sair da escola, para projetar. “O currículo se concentra em questões genéricas, em um nível básico”, afirma o engenheiro eletricista Hilton Moreno, professor e consultor técnico na área elétrica. “As normas técnicas, por exemplo, que são fundamentais para o projetista, praticamente não são abordadas nas escolas”, completa.

Além da segurança dos usuários, um bom projetista deve garantir que o projeto de instalações elétricas seja eficiente do ponto de vista do consumo de energia e do impacto ambiental. Também deve ser capaz de calcular desempenho e custos, com sistemas em conformidade técnica com as normas brasileiras vigentes.

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO PROJETISTA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Mas, como se preparar para entrar nessa carreira? Quais são os pré-requisitos e as habilidades valorizadas pelos contratantes na hora de selecionar os projetistas de instalações elétricas? Listamos abaixo alguns pontos relevantes.

1) Formação e conhecimento técnico

Matemática e física estão por trás dos principais conceitos que envolvem a engenharia elétrica. Dominar tais disciplinas vai ajudá-lo a aprofundar os conhecimentos necessários para ser um bom projetista de instalações e compreender os métodos empregados para projetar sistemas de energia de média e baixa tensão. Você terá que conhecer os circuitos elétricos, equipamentos e sistemas mais utilizados em edificações residenciais, instalações industriais e comerciais. Também será importante entender os procedimentos de projeto, materiais de construção empregados, serviços, aterramento e qualidade de energia.

As atuais pesquisas sobre iluminação a laser, nanotecnologia, geração fotovoltaica e, em especial, as baterias de última geração podem alterar significativamente as instalações elétricas nas próximas décadas
Hilton Moreno, professor e consultor técnico na área elétrica

2) Acompanhamento e interesse por normas técnicas

“Para projetar instalações elétricas, o profissional deve dominar as normas técnicas relacionadas”, garante Moreno. A chamada ‘norma-mãe’ é a NBR 5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Aplica-se aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a 1000 V em corrente alternada, com frequências inferiores a 400 Hz, ou a 1500 V em corrente contínua. “Os jovens profissionais até se assustam quando se deparam, pela primeira vez, com a variedade de normas que deriva da NBR 5410”, explica Barreto. E não basta apenas conhecer o que já existe. O ideal é acompanhar o desenvolvimento dos textos normativos no âmbito do CB-003 – Comitê Brasileiro de Eletricidade. Há muita coisa em andamento.

Veja algumas normas técnicas que o projetista de instalações elétricas deve conhecer

  • NBR 5410 – Instalações elétricas de baixa tensão
  • NBR 14039 – Instalações elétricas de média tensão, de 1,0 kV a 36,2 kV
  • NBR 5419 – Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
  • NBR 13570 – Instalações elétricas em locais de afluência de público — Requisitos específicos
  • NBR 13534 – Instalações elétricas de baixa tensão – Requisitos específicos para instalação em estabelecimentos assistenciais de saúde
  • NBR IEC 60079-0 – Atmosferas explosivas – Parte 0: Equipamentos – Requisitos gerais
  • NBR 16690 – Instalações elétricas de arranjos fotovoltaicos – Requisitos de projeto

3) Atualização constante e apetite pela inovação

A obsolescência técnica nessa área é rápida. Alguns especialistas falam em três anos. Os avanços constantes na indústria eletroeletrônica, com ciclos de inovação cada vez mais curtos, constituem uma das molas propulsoras nesse sentido. “As atuais pesquisas sobre iluminação a laser, nanotecnologia, geração fotovoltaica e, em especial, as baterias de última geração podem alterar significativamente as instalações elétricas nas próximas décadas”, avisa Moreno. O jovem profissional precisa estar atento a essas mudanças e buscar sempre referências técnicas confiáveis a respeito. Caso contrário, ele próprio corre o risco de obsolescência.

O profissional não deve simplesmente assumir os algoritmos dos sistemas como corretos. É necessário interpretar os resultados
Paulo Barreto, engenheiro eletricista, professor e diretor da Barreto Engenharia

4) Habilidade com sistemas

Projetistas experientes garantem que a operação avançada de um software não transforma ninguém, de forma automática, em um bom projetista. “O profissional não deve simplesmente assumir os algoritmos dos sistemas como corretos”, afirma Barreto. “É necessário interpretar os resultados.”, completa. De qualquer forma, as ferramentas aumentam a produtividade do trabalho e a familiaridade com os sistemas é bem-vista pelos potenciais contratantes. QiElétrico, CADDPROJ Elétrica e AutoCAD Electrical são algumas das plataformas mencionadas pelos especialistas da área.

As pessoas também perguntam: Empreender ou procurar emprego na construção civil?

5) BIM como diferencial

Nem todos os profissionais experientes estão dispostos ao necessário aprendizado para a adoção do Building Information Modeling (BIM) nos projetos de instalações elétricas. Está aí uma grande oportunidade para os jovens. “O BIM é um caminho sem volta e os recém-formados terão a oportunidade de aprender a trabalhar já em uma nova plataforma, que será a base do futuro”, afirma Moreno. Vários contratantes de projetos começam a demandar projetos em BIM, de olho em maior precisão, produtividade e economia. A facilidade dos jovens na assimilação de novas tecnologias pode ajudar os iniciantes na conquista de novas oportunidades. Preparar-se nesse sentido é fundamental. Se pretende aprender a operar um software, por exemplo, certifique-se de que esse sistema contempla a metodologia BIM.

6) Trabalho em equipe e capacidade de comunicação

A habilidade de se relacionar com projetistas de outras disciplinas, contratantes e equipes de execução é cada vez mais valorizada. O trabalho em equipe é inerente à atividade desse profissional, visto que a qualidade do que se entrega (projeto) depende da compatibilização e da integração adequada com as demais áreas (estrutural, hidráulica, automação etc.) Saber lidar com pessoas, portanto, é fundamental. Falar e escrever bem também são habilidades desejadas pelos contratantes. “Uma boa redação garante, por exemplo, um memorial descritivo melhor”, conclui Barreto.

Carreira: qual é a sua sugestão de tema para o nosso espaço dedicado aos profissionais de Engenharia Civil, Arquitetura e Construção?

Colaboração técnica

Paulo E. Q. M. Barreto – Engenheiro eletricista pós-graduado em eletrotécnica com experiência nas áreas de ensino, projeto, execução, manutenção, inspeção e perícia em instalações elétricas. Vice-presidente da ABRASIP (Associação Brasileira de Engenharia de Sistemas Prediais), é membro do CB-3/ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Professor convidado de cursos de pós-graduação, é diretor da Barreto Engenharia.
Hilton Moreno – Engenheiro eletricista pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, é sócio-diretor do Grupo HMNews. Atuou como professor de cursos de graduação e pós-graduação em instalações elétricas. Palestrante em congressos, seminários e cursos no Brasil e no Exterior, é autor e coautor de várias publicações entre livros, manuais, guias e de inúmeros artigos técnicos. Revisor da 5ª edição do livro “Instalações Elétricas”, de Ademaro Cotrim, é consultor técnico de entidades e empresas da área elétrica.