Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Ruído de impacto de piso em edificações habitacionais

Henrique Lima Pires, Adriana Camargo de Brito, Marcelo de Mello Aquilino, Maria Akutsu, Laboratório de Conforto Ambiental, Eficiência Energética e Instalações Prediais do IPT

Publicado em: 04/03/2022

Texto: Redação AECweb/e-Construmarket

Coordenação técnica: Adriana Camargo de Brito
Comitê de revisão técnica: Adriana Camargo de Brito, Cláudio Vicente Mitidieri Filho, José Maria de Camargo Barros, Luciana Oliveira e Maria Akutsu
Apoio editorial: Cozza Comunicação

25/03/2022 | 15h30 - Em edificações habitacionais, os ruídos de impacto estão frequentemente associados ao sistema de piso que divide unidades. Esses impactos podem ser causados pelo caminhar das pessoas e animais, quedas de objetos, entre outros. Este tipo de ruído é de difícil controle, pois o piso de uma unidade habitacional pode propagar ruído e vibrações ao sistema estrutural e a outros componentes a ele rigidamente conectados e, consequentemente, aos fechamentos das unidades adjacentes, gerando assim campos sonoros nestes ambientes (Figura 1).

Corte esquemático de edificação
Figura 1 – Corte esquemático de edificação com vários pavimentos e indicação qualitativa das transmissões de ruído (Fonte: Autor)

Regulamentação no Brasil e no mundo

No Brasil, a norma NBR 15575 (ABNT, 2021) determina as exigências de isolamento a ruído de impacto em pisos. São estabelecidos valores máximos para o nível de pressão sonora produzido por impacto em pisos em dormitórios de unidades distintas. Os critérios e níveis de desempenho são indicados na Tabela 1.

Critério e nível de pressão sonora de impacto padrão ponderado
Tabela 1 – Critério e nível de pressão sonora de impacto padrão ponderado (Fonte: ABNT, 2021)

Para fins comparativos, são indicados no Gráfico 1 também os requisitos mínimos gerais estabelecidos por normas ou regulamentações de outros países para habitações. Nota-se que a norma brasileira é a menos exigente e, no caso de se ter laje de concreto com espessura da ordem de 10 cm, pode não ser necessário tratamento acústico para atender o nível mínimo exigido, visto que tal elemento geralmente proporciona um nível de pressão sonora da ordem de 78 dB (L’nT,w).

Critérios de nível de pressão sonora de impacto padrão ponderado de normas e regulamentações no Brasil e em outros países
Gráfico 1 – Critérios de nível de pressão sonora de impacto padrão ponderado de normas e regulamentações no Brasil e em outros países (Fonte: Machimbarrena e Rasmussen - 2016; Rasmussen - 2010; Ganiyu - 2014)

Soluções para melhorar a isolação de pisos a ruído de impacto

Para aumentar a isolação sonora do piso em relação a transmissão estrutural, é necessário reduzir a propagação das vibrações produzidas pelos impactos. Para isso, é necessário desassociar a camada de piso que sofre impacto dos demais sistemas, utilizando alternativas como:

a) Colocação de forros preenchidos com material isolante acústico no ambiente receptor;
b) Aumento da rigidez do sistema por meio do aumento da espessura da laje;
c) Colocação de materiais “macios” (como carpetes) como acabamento do piso no ambiente emissor;
d) Pisos flutuantes, como pisos laminados sobre camada de manta de material resiliente;
e) Contrapisos flutuantes (nota-se que esta, diferentemente do piso flutuante, trata-se de um tabuleiro de argamassa apoiado sobre material resiliente);

Na Tabela 7, há exemplos de algumas soluções para aumento do isolamento de pisos a ruídos de impacto.

Desempenho de diversas soluções para o isolamento de ruídos de impacto de piso sobre lajes pesadas de concreto
Tabela 7 - Desempenho de diversas soluções para o isolamento de ruídos de impacto de piso sobre lajes pesadas de concreto

Soluções mais adotadas no Brasil

No Brasil, é mais comum o uso de sistema de contrapiso flutuante, em que mantas de materiais resilientes são colocadas entre a camada do contrapiso e a laje (Figura 2). A baixa rigidez dinâmica destes materiais permite que uma parte significativa da energia mecânica gerada por impactos seja absorvida e dissipada, impedindo sua transmissão aos outros elementos.

Representação básica de um sistema de contrapiso flutuante
Figura 2 - Representação básica de um sistema de contrapiso flutuante (Fonte: Autor)

Diversos materiais resilientes estão disponíveis no mercado, tais como: lãs minerais e sintéticas, feltros, poliuretano, outros compostos poliméricos e diversos materiais recicláveis, como resíduos de pneus, madeira e cortiça.

Na Tabela 5, são apresentados resultados de medições de ruído de impacto de sistemas de pisos flutuantes realizadas por Brondani e Pizzutti (1998) e Pedroso (2007).

Resultado do desempenho de diversos sistemas de pisos flutuantes realizados em campo e em laboratório respectivamente
Tabela 5 – Resultado do desempenho de diversos sistemas de pisos flutuantes realizados em campo e em laboratório respectivamente (Fonte: Brondani e Pizzutti - 1998; Pedroso - 2007)

Considerações Finais

Mesmo sendo relativamente simples atender os critérios do nível “Mínimo” de desempenho quanto a ruído de impacto de pisos em ambientes de dormitórios previstos na norma NBR 15575 (ABNT, 2021), quando se trata de outros níveis de desempenho (“Intermediário” e “Superior”), é necessário tomar maiores cuidados no projeto dos elementos construtivos da edificação.

Nesse sentido, há várias opções que podem ser utilizadas pelos projetistas para aumentar a isolação sonora dos sistemas de piso a ruídos de impacto, como citado anteriormente. Todavia, é importante considerar que não há uma solução padrão aplicável a qualquer empreendimento, visto que há variáveis relacionadas ao projeto que devem ser levadas em consideração para escolher as soluções mais adequadas a cada caso.

REFERÊNCIAS 

ARCHITECTS AND BUILDING BRANCH (Londres). Department For Education And Skills. Insulation from external noise. In: ARCHITECTS AND BUILDING BRANCH (Londres). Department For Education And Skills. Building Bulletin 93: acoustic design of schools. Londres: Bridget Shield, London South Bank University e Carl Hopkins, Bre Acoustics, Building Research Establishment Ltd (Bre), 2003. Cap. 3. p. 1-207. Disponível em: https://webarchive.nationalarchives.gov.uk/20130402164558/https://www.education.gov.uk/
publications/eOrderingDownload/BB93-Acoustic_Design.pdf. Acesso em: 10 dez. 2020..

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15575: Edificações Habitacionais – Desempenho. Rio de Janeiro: ABNT, 2021.

BRONDANI, Sérgio A.; SANTOS, Jorge Pizzutti dos. Pisos flutuantes: análise da performance acústica para ruídos de impacto. In: TECNIACUSTICA, 29., 1998, Lisboa. Anais [...] . Lisboa: Sociedad Española de Acústica, 1998. p. 197-200. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2020.

GANIYU, Sikiru Abiodun. Comparison of the acoustic provisions in the national building code with the acoustic building codes of some selected countries. International Journal of Scientific Research and Innovative Technology, v. 1, n. 4, p. 22-30, nov. 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2020.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 140-6: Acoustics — Measurement of sound insulation in buildings and of building elements — Part 6: Laboratory measurements of impact sound insulation of floors. 2 ed. Vernier: Iso Central Secretariat, 1998. 15 p.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 140-7: Acoustics — Measurement of sound insulation in buildings and of building elements — Part 7: Field measurements of impact sound insulation of floors. 2 ed. Vernier: Iso Central Secretariat, 1998. 17 p.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 140-14: Acoustics — Measurement of sound insulation in buildings and of building elements — Part 14: Guidelines for special situations in the field. 1 ed. Vernier: Iso Central Secretariat, 2004. 31 p.

MACHIMBARRENA, María; RASMUSSEN, Birgit. Legislation and Regulations in Building Acoustics: Paper ICA2016-487. Comparison of acoustic regulations for housing and schools in selected countries in Europe and South America – A pilot study. In: International Congress on Acoustics, 2016, [s.i.]. Proceedings. Buenos Aires: ICA, 2016. p. 1 – 10. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2020.

PEDROSO, Miguel Angelo Teixeira. Estudo comparativo entre as modernas composições de pisos flutuantes quanto ao desempenho no isolamento ao ruído de impacto. 2007. 140 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/7688. Acesso em: 01 mar. 2020.

RASMUSSEN, Birgit. Sound classification schemes in Europe: quality classes intended for renovated housing. In: COST ACTION, 0721., 2012, Thessaloniki (Gr), Timisoara (Ro). Proceedings [...] . Malta: European Cooperation In Science And Technology, 2010. p. 1-8. Disponível em: https://vbn.aau.dk/ws/portalfiles/portal/43741580/SoundClassesEuropeRenovatedHousing
_TU0701_UniversityMalta_May2010BiR.pdf. Acesso em: 20 jun. 2021.

WARNOCK, A.C.C. Controlling the transmission of airborne sound through floors, Institute for Research in Construction, National Research Council of Canada, Construction Technology vol.35, 4 p., dez. 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2020.