Como preparar o currículo de engenheiro civil?

Foco na formação e experiência profissional, objetividade, cuidados com erros de português e customização de acordo com a vaga e o contratante são recomendações de construtoras e incorporadoras. Confira 6 pontos de atenção na hora de preparar o CV

Publicado em: 13/07/2022

Texto: Eric Cozza

homem de terno que apresenta seu currículo
Pensar no currículo como se fosse uma proposta de venda para o futuro empregador é uma das dicas dos profissionais de RH da área. CV não deve ter mais de duas páginas (Foto: Shutterstock)

Preparar o currículo é uma atividade central para quem está em busca de uma colocação como engenheiro civil. Mesmo que seja em uma plataforma online, com campos pré-definidos para se preencher, não costuma ser tarefa simples.

Quando o profissional é jovem e com pouca experiência, falta o que colocar. Quando é experiente, o desafio é saber o que incluir e de que maneira. E aqui vai a primeira dica: a forma como você estrutura o seu currículo e como você escreve são avaliadas pelos futuros contratantes. “Demonstra, por exemplo, se você é estruturado, detalhista, mais ou menos objetivo”, afirma Carina Labbate, gerente de recursos humanos do Grupo HTB.

Em tempos de inteligência artificial, onde algoritmos auxiliam na tarefa de selecionar os CVs (curriculum vitae) a serem analisados, a escolha das palavras-chaves pode ser decisiva. “Se a vaga para a qual está se propondo trata, por exemplo, de gerenciamento de projetos, essas palavras precisam aparecer no seu currículo”, recomenda Silvano Aragão, gerente de desenvolvimento humano e organizacional (DHO) do Grupo Patrimar.

Pense como se estivesse fazendo uma proposta comercial para a empresa contratante, cujo produto/serviço é você. Preste atenção no perfil da vaga, naquilo que a companhia está buscando e valorize esses aspectos no CV
Silvano Aragão, gerente de desenvolvimento humano e organizacional (DHO) do Grupo Patrimar

Mas afinal o que priorizar? E o que deixar de fora? Ouvimos profissionais experientes de recursos humanos de grandes construtoras e incorporadoras a respeito. Confira 6 pontos de atenção na hora de preparar o CV.

1) UM CURRÍCULO PARA CADA EMPRESA

Pode até parecer mais ‘prático’ espalhar currículos de maneira aleatória para diversas empresas que são alvo na sua tentativa de colocação. A efetividade, porém, é questionável. “Pense como se estivesse fazendo uma proposta comercial para a empresa contratante, cujo produto/serviço é você”, aconselha Aragão. “Preste atenção no perfil da vaga, naquilo que a companhia está buscando e valorize esses aspectos no CV”, completa o executivo da Patrimar.

2) CAPRICHE NO RESUMO: PRIMEIRA IMPRESSÃO AJUDA

O resumo costuma ser a primeira coisa que o recrutador vai ler. Pode ser, portanto, a diferença entre ser descartado ou seguir adiante no processo seletivo. “Um resumo de qualificações bem-feito, claro e objetivo auxilia o profissional de RH, funcionando como uma espécie de primeira versão do CV”, afirma Carina. Deve conter as palavras-chaves relacionadas à vaga, os diferenciais (reais) do candidato e não ser extenso ou repetitivo. Outro quesito importante é o objetivo, ou seja, a vaga pretendida (cargo e área de atuação).

É muito importante comentar sobre as experiências, principalmente as entregas que realizou, responsabilidades etc. Essa é a parte que nos permite entender mais sobre o futuro papel da pessoa na empresa e quanto ela pode agregar para o que procuramos naquele momento
Thais Rocha Ferreira, coordenadora de desenvolvimento humano da MRV&CO 

3) FORMAÇÃO ACADÊMICA: COMPLETA, MAS CONCISA

Ideal é focar nos pontos principais da formação, tais como: nome da faculdade, curso, ano de formação, pós-graduação, MBA, mestrado etc. “Caso tenha se formado com alguma ênfase na área, esse ponto pode ser considerado como diferencial no currículo e agregar na avaliação do recrutador para a vaga”, afirma Thais Rocha Ferreira, coordenadora de desenvolvimento humano da MRV&CO. Cursos técnicos de 2º grau anteriores à vida universitária também devem ser mencionados. Línguas estrangeiras podem ser mencionadas de acordo com o nível de proficiência: básico (leve compreensão), intermediário (consegue iniciar conversação), avançado (fala bem, lê e escreve) ou fluente (pleno domínio do idioma).

4) EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: EVOLUÇÃO E ENTREGAS

Costuma ser o coração do currículo para as empresas contratantes. Afinal, a engenharia civil é uma área onde a vivência profissional conta bastante. “É muito importante comentar sobre as experiências, principalmente as entregas que realizou, responsabilidades etc.”, aponta Thais. “Essa é a parte que nos permite entender mais sobre o futuro papel da pessoa na empresa e quanto ela pode agregar para o que procuramos naquele momento.”, completa a executiva da MRV&CO. Além das entregas e resultados obtidos, outro aspecto importante a ser destacado é a evolução da pessoa nas empresas em que atuou. “É relevante saber, por exemplo, a trajetória dentro da companhia, se a pessoa entrou como estagiário e depois foi efetivada como engenheiro júnior e assim por diante”, recomenda Carina, da HTB.

A forma como você escreve e estrutura as suas ideias no currículo já passa uma mensagem importante para o recrutador sobre quem você é como profissional
Carina Labbate, gerente de recursos humanos do Grupo HTB

5) O QUE COLOCAR E O QUE NÃO COLOCAR

Confira no quadro abaixo algumas dicas de profissionais da área. Lembrando que alguns itens relevantes podem ser suprimidos, pois costumam ser abordados em etapas posteriores, de testes ou entrevistas. E que formação acadêmica, línguas estrangeiras e experiência profissional são conteúdos obrigatórios em qualquer CV, assim como os dados básicos pessoais: nome, cidade onde reside, telefone e e-mail. Outro alerta importante dos especialistas: avalie sempre, caso a caso, qualquer decisão relativa à preparação do currículo, considerando a empresa e/ou a vaga pretendida. O quadro abaixo é uma referência genérica, sujeita às exceções:

gráfico currículo

6) REVISE, REVISE E REVISE

Erros de português, como ortografia e concordância verbal, prejudicam o currículo de qualquer pessoa. “A forma como você escreve e estrutura as suas ideias no currículo já passa uma mensagem importante para o recrutador sobre quem você é como profissional”, alerta Carina. Não dá para esquecer também das palavras-chaves relacionadas à vaga ou à empresa contratante. E jamais deixar de incluir seus diferenciais na formação acadêmica e experiências anteriores. Tudo de forma concisa, objetiva e clara. Não deixe nenhum detalhe passar desapercebido, pois eventuais ‘errinhos’ ou omissões podem ser decisivos na hora da tomada de decisão pelo recrutador.

Carreira: qual é a sua sugestão de tema para o nosso espaço dedicado aos profissionais de Engenharia Civil, Arquitetura e Construção?

Colaboração técnica

Carina Labbate – Formação superior em administração e mestrado em gestão de pessoas na FEA-USP. Possui forte experiência em gestão estratégica de pessoas, com ênfase em carreira, remuneração e desenvolvimento. Sua trajetória profissional se desenvolveu como consultora, professora e, atualmente, como gerente de Recursos Humanos do Grupo HTB.
Silvano Aragão – Gerente de desenvolvimento humano e organizacional (DHO) do Grupo Patrimar. Profissional com mais de 25 anos de experiência como head da área de recursos humanos de grandes empresas, com passagem pelos segmentos da construção civil, agronegócios, mineração, siderurgia, serviços e educação. Professor da PUC Minas, possui mestrado profissional acadêmico em administração, MBA em gestão estratégica de pessoas pela FGV e gestão empresarial pela FDC.
Thais Rocha Ferreira – Formação em psicologia e pós-graduação pela Pontifícia Universidade Católica da Minas Gerais. Coordenadora de desenvolvimento humano da MRV&CO, possui experiência em todo processo de recrutamento e seleção de pessoal, começando por vagas operacionais até as posições mais estratégicas da empresa. Responsável pelo acompanhamento do programa de portas de entrada, apoio nas demandas de diversidade, inclusão, e marca empregadora.