Banner AECweb
menu-iconPortal AECweb

Materiais de Construção

Seja em obras de reformas, seja para erguer novas edificações, uma ampla quantidade e diversidade de materiais de construção precisa ser empregada. A garantia de qualidade e a escolha correta desses componentes é vital para que o ambiente ou construção atenda as expectativas de seus usuários com relação à durabilidade, conforto, beleza e custo.

Como escolher melhor seus Materiais de Construção: Compare os melhores preços

Qual material de construção você está procurando?

Presentes desde as etapas iniciais aos acabamentos, os materiais de construção devem ser escolhidos considerando não apenas o custo ou a estética. É preciso considerar aspectos técnicos, que interferem diretamente no rendimento e/ou no desempenho do produto instalado. É sempre importante economizar, mas com inteligência, sem perda de qualidade.

A seguir você pode saber mais sobre diversos materiais de construção essenciais para o sucesso de uma obra. Com mais conhecimento sobre o papel de cada um deles, fica mais fácil comparar soluções e tomar uma decisão acertada na hora da compra.

Cimento

Amplamente utilizado nas obras brasileiras, o cimento está presente na produção de argamassas e na fabricação de concreto.

A indústria disponibiliza uma ampla gama de produtos que se diferem no modo de fabricação e na finalidade de uso. Há, por exemplo, os cimentos que proporcionam alta resistência à maresia. Existem, também, os produtos de secagem rápida, os mais impermeáveis, assim como os cimentos brancos e cinzas.

Um produto muito encontrado nas construções brasileiras é o cimento CPII, que recebe aditivos em sua composição. Esse material pode ser utilizado tanto em estruturas de concreto armado, quanto na produção de argamassas.

Areia

A areia é um elemento fundamental em qualquer construção e está presente desde as fundações, passando pela estrutura, vedações e acabamentos.

A granulometria da areia interfere diretamente na aplicação desse material. A areia fina, por exemplo, é indicada para uso em chapiscos de paredes ou muros externos. Já a areia com grãos médios é insumo para argamassas de assentamento. As areias grossas, por sua vez, são aproveitadas na produção de concreto e de alguns tipos de argamassa.

De modo geral, para obras de pequeno porte, a areia é comprada em volume (metros cúbicos). Já em obras maiores, o fornecimento é dimensionado em número de caminhões.

Brita

Também conhecida como pedra britada, a brita tem aplicações na fabricação de concreto e argamassa, bem como em obras de ferrovias, túneis e barragens.

Os diferentes tipos de brita são classificados de 0 a 4, de acordo com a sua granulometria (tamanho do grão). A brita 0, por exemplo, é bastante empregada na fabricação de componentes de concreto pré-moldado e em blocos de concreto intertravado. A brita 1, com grãos de até 19 mm, é a mais usada na produção de concreto estrutural.

Mais grossa, a brita n° 2 é utilizada quando há a necessidade de preparar um concreto que seja mais robusto e resistente. A n° 3, com 38 milímetros, tem uso mais restrito a obras de contenção, enquanto as de tipo 4 são designadas ao reforço de subleito de pavimentos.

É possível encontrar, ainda, misturas de britas com granulometrias variadas. Um exemplo é a bica corrida, que combina britas de 4,8 mm a 50 mm. Esse material é indicado para pavimentação de ruas e para aterros.

Aço

Na forma de perfis, tubos ou em chapas, o aço exerce papel fundamental em construções e em reformas. Isso porque ele combina leveza com alta capacidade de suportar cargas, além de precisão geométrica e sustentabilidade, uma vez que o aço é um material 100% reciclável.

Os aços estão presentes em elementos de fundação, contenções e em estruturas, como arames, vergalhões e armaduras. Muito versátil, o metal também é aproveitado em esquadrias, tubulações, bem como em coberturas. Sistemas construtivos industrializados, como drywall e steel frame, são intensivos no uso do aço.

Gesso

O gesso é um material branco, em pó, obtido a partir da calcinação de uma rocha chamada gipsita, com propriedades aglomerantes. Isso significa que, quando misturado com água, ele endurece adquirindo resistência.

O gesso é muito popular na construção por combinar propriedades como facilidade de moldagem e ótimo acabamento. Além disso, trata-se de um material com boa aderência à alvenaria e ao concreto, podendo ser utilizado como revestimento de paredes e forros.

Cal

Proveniente de rochas calcárias ou magnesianas, a cal pode ser utilizada tanto na produção de argamassas de assentamento, quanto no revestimento de paredes e muros a partir da caiação (pintura à base de cal).

O mercado oferece dois tipos principais de cal. A virgem, também conhecida como cal viva, é obtida a partir da calcinação e é menos usual. Já a cal hidratada, mais popular, consiste na mistura da cal virgem com a água. Esse material atua como um aglomerante, favorecendo o endurecimento da argamassa.

Tijolos ou Blocos de vedação

Os tijolos ou blocos de vedação podem ser usados para o fechamento de paredes internas ou externas. A classificação das peças se dá em função de sua matéria-prima e do formato (maciço ou vazado).

Os blocos de concreto dispõem de controles mais rigorosos durante sua produção. Já os blocos cerâmicos têm como pontos fortes o maior conforto térmico proporcionado e a facilidade de manuseio por conta de sua leveza. Para obras que têm a questão do peso como um ponto crítico, uma alternativa são os blocos de concreto celular que, embora custem mais, são extremamente leves.

Blocos estruturais

Os blocos estruturais são aqueles especialmente fabricados para compor paredes de alvenaria estrutural. De uso consolidado no Brasil, esse processo construtivo permite que a estrutura e a vedação da edificação sejam executadas simultaneamente. Por esse método, fica a cargo dos blocos a função de suportar as cargas da estrutura.

Aliando resistência mecânica, baixo custo e leveza, os blocos podem ser de concreto ou cerâmicos. Ambos, quando devidamente fabricados, possuem formato e dimensões padronizadas.

Drywall

De uso mais recente no Brasil, o drywall é uma solução construtiva industrializada para a construção de paredes e forros. Ele é composto por uma estrutura de perfis de aço galvanizado onde são parafusadas chapas de gesso. O sistema é complementado por massas e fitas para acabamento das juntas. Há, ainda, elementos de fixação específicos, como buchas, parafusos e rebites metálicos, além dos materiais isolantes, como lã de vidro e de rocha, que podem preencher o vão formado entre duas placas de gesso.

Velocidade de montagem, leveza, precisão dimensional e a possibilidade de modular o desempenho acústico são alguns pontos fortes desta tecnologia presente em projetos residenciais, comerciais e, até, em teatros e salas de cinema.

Argamassas

Mistura homogênea de agregados miúdos, aglomerantes inorgânicos, água e, eventualmente, aditivos e adições, as argamassas podem ser produzidas na própria obra ou adquiridas pré-misturadas. Essas últimas, conhecidas como argamassas industrializadas, são dosadas na indústria e demandam somente a adição de água no canteiro.

As argamassas industrializadas para revestimento são classificadas em função da indicação de uso, para uso interno ou externo. Mais recentemente surgiram os revestimentos monocamada, oferecendo um processo de aplicação mais rápido. No caso das argamassas colantes, os produtos AC-I são recomendados para o assentamento de revestimentos e pisos cerâmicos em ambientes internos. As argamassas do tipo AC-II são indicadas para uso em áreas internas e externas, incluindo fachadas e pisos externos. Mais resistentes, os produtos AC-III são voltados para assentamento de revestimentos cerâmicos em fachadas onde o risco de acidentes por queda das peças é maior, bem como para assentamento de placas com mais de 60 x 60 cm. Há, finalmente, as argamassas AC-III E para aplicações que requerem retardar o tempo de cura.

Concretos

Produzido a partir de uma mistura de cimento portland, água, agregados (pedra e areia) e, em alguns casos, aditivos e adições, o concreto é o material mais utilizado nas obras brasileiras. Ele pode ser tanto produzido na obra —, método recomendado apenas para projetos de pequeno porte — como encomendado em usinas concreteiras.

O concreto convencional, com lançamento manual, é o tipo mais utilizado nas obras de construções residenciais. Em projetos maiores, como na construção de edifícios e de pisos industriais, a opção pode recair sobre os concretos com aditivos. Nesse grupo estão os concretos autoadensáveis, que dispensam o uso de vibradores na fase de adensamento, e os de alta resistência.

Impermeabilizantes

Ao proteger as construções contra a ação nociva da água e da umidade, a impermeabilização assegura a durabilidade e salubridade das estruturas, evitando problemas como mofo, bolor e destacamento de tintas. Para isso, há uma série de produtos impermeabilizantes para proteção de diferentes partes das edificações. É possível citar como exemplos os produtos rígidos, como as argamassas poliméricas, indicados para elementos de fundação. Há, também, os sistemas flexíveis, como as mantas asfálticas, recomendadas para partes da estrutura que se expandem e contraem diante das intempéries, caso das lajes de cobertura.

Portas e janelas

Portas e janelas são elementos de vedação que exercem múltiplos papéis nas edificações. Além de proporcionar segurança, privacidade e estanqueidade, elas influenciam o aproveitamento da ventilação e da iluminação naturais, assim como o conforto acústico. Por tudo isso, a escolha desses itens deve ir além da preferência estética e da comparação simplificada de preços.

No caso de portas, os modelos de madeira são os mais procurados. Mas há opções, também, em aço, alumínio e PVC.

Quando falamos em esquadrias para janelas, as mesmas matérias-primas são as mais valorizadas: alumínio, aço e madeira. Mais recentemente, os caixilhos de PVC ganharam destaque no mercado por conta do isolamento térmico e acústico proporcionado, embora sejam mais caras.

Telhas e coberturas

A definição do sistema de cobertura de uma construção é uma etapa importante porque impacta diretamente a estanqueidade e o conforto térmico e acústico na edificação, além da estética.

A indústria oferece vários tipos de telhas, de diferentes formatos, produzidas com matérias-primas tradicionais, como cerâmica, concreto e fibrocimento. Para quem busca coberturas mais leves, há, também as telhas produzidas com PVC, as do tipo shingle (asfálticas ), e as metálicas (de aço e de alumínio). Para aplicações que priorizam a entrada de luz natural, duas opções são as telhas de vidro e de polipropileno . Mais recentemente passaram a ser produzidas, também, telhas ecológicas, fabricadas a partir de fibra vegetal ou PET reciclado. Vale lembrar que, além das telhas, calhas e rufos (de aço, alumínio ou PVC) são componentes indispensáveis para uma cobertura estanque e segura.

Equipamentos de proteção

Essenciais em obras de todos os portes, os equipamentos de proteção individual (EPIs) têm como principal objetivo assegurar a saúde e a segurança dos trabalhadores.

Há uma ampla diversidade de EPIs para uso em diferentes partes do corpo. Para a cabeça, por exemplo, há os capacetes . Já para a segurança dos olhos, existem os óculos de proteção. Além disso, não se pode prescindir de luvas que, a depender do modelo, oferecem proteção contra choques elétricos e ajudam a proteger a pele de danos provocados por cortes e abrasão. Para trabalhos em altura, os cintos de segurança paraquedista com talabartes são fundamentais para evitar quedas.

Instalações hidráulicas e sanitárias

A rede de instalação hidráulica de uma edificação inclui desde os sistemas de distribuição de água quente e fria, ao transporte de esgoto. É muito importante que essa rede funcione perfeitamente, do contrário, podem surgir problemas como insuficiência de pressões e vazões, mau cheiro ou refluxos, ruídos indesejados, obstruções em tubulações e vazamentos.

Para viabilizar a condução de todos esses fluídos com segurança e eficiência, a lista de materiais de construção a ser utilizada é enorme. Ela se estende desde tubos, sifões e conexões, passando por registros, válvulas e ralos. Há, ainda, as caixas de gordura e de inspeção.

Instalações elétricas

Tão importante quanto o abastecimento de água, é garantir o fornecimento de energia a todos os cômodos da construção de modo seguro. Para isso é essencial contar com um projeto de instalações elétricas, que preveja o dimensionamento adequado de todos os componentes. Entre os mais relevantes, é possível citar: eletrodutos, caixas e quadros elétricos, condutores, dispositivos de proteção ( disjuntores ) e de comando (interruptores), além de tomadas.

Pisos e revestimentos

Em uma obra, a fase de acabamento contempla a realização de diversos serviços, incluindo o assentamento de revestimentos de pisos e paredes. Essa costuma ser uma das etapas mais demoradas e dispendiosas das obras. Por isso mesmo, ter sabedoria no momento da escolha dos materiais de construção pode fazer toda a diferença para um projeto bem-sucedido.

No caso dos revestimentos cerâmicos, porcelanatos , pedras naturais e pastilhas, diante de uma infinidade de cores, padrões e formatos, torna-se um desafio identificar o produto que melhor harmoniza com o restante da decoração ou com a linguagem do projeto. A indústria oferece materiais com preços, durabilidade e acabamentos bastante variados. Uma dica na hora de escolher é atentar para as necessidades do local onde os materiais serão utilizados.

Tintas

Há quem pense que a pintura só possui função estética. Contudo, a importância das tintas vai além do aspecto decorativo. Elas ajudam a proteger a superfície, garantem melhor higienização e servem, ainda, para sinalizar e até para proporcionar mais luminosidade aos ambientes.

Nos últimos anos, a indústria de tintas vem promovendo transformações importantes, com o desenvolvimento de produtos com maior rendimento, que demoram menos para secar e têm melhor aderência a diferentes bases. Outro destaque são as tintas à base de água, que eliminam o uso de solventes, têm menos odor e trazem ganhos ambientais.